Todas as mensagens
 ENTREVISTAS
 RESENHAS
 FUTEBOL
 COLUNAS ANTI-SOCIAIS
 CONTATOS


 dr.gori´s myspace
 tbontb blog
 monstrodiscos
 one voice records
 goiania rock news
 goiânia rock city
 juniordish
 licor de chorume
 a força das garotas do underground
 blog do blob
 bravus
 blog dos quadrinhos
 fernando gonsales
 boca do inferno
 allan sieber
 rafael sica
 pastelzinho
 andré dahmer
 cult 22
 zine oficial
 hocus pocus
 rock pauleira & metal pesado
 marca da fantasia
 o subversivo zine
 recife rock
 rraurl
 cause of death zine
 revista trip
 observatório da imprensa
 blog do bourdoukan
 real hip hop
 boizeblog
 geneton moraes neto
 met-art
 papo de homem
 música popular do brasil
 música da minha gente
 rimas invencibles
 down underground
 walfrido neto
 vozerio do inferno
 igualdade racial
 rango rock
 digestivo cultural
 whiplash
 ugrapress
 espaço cubo





BLOG DO DR. GORI

FUTEBOL


 
 

JAMES HUNT

hunt

 

 

 

Houve um tempo e que assistir as corridas do mundial de pilotos da Fórmula 1 era bem mais interessante que hoje. Acredito que depois da morte do Senna e dos 7 títulos do Schumacher, a nova geração de pilotos não tem o saco roxo o suficiente pra aprontar presepadas do nível de Mansell, Prost, Piquet, e o próprio Senna, que podia ser bonzinho fora das pistas, mas dentro dela tenho quase certeza que o que inspirava o cara era algo tipo Slayer ou Venom.

 

Tal qual no futebol atual, as equipes investem pesado no marketing em cima dos pilotos, da escuderia e dos patrocinadores e, se vencerem um grand prix ou pelo menos pontuarem, tudo bem, desde que isso renda alguns milhões de dólares. Falando em futebol, o Dragão conseguiu sai r da zona de rebaixamento e espero que a nossa situação permaneça assim até o final do campeonato. Enquanto isso, a feiúra dos torcedores do Atlético e do Vasco no último domingo, fez a justiça caçar a liminar quer permitia a venda de bebida alcoólica no Serra Dourada. Merda!

 

Voltando à Fórmula 1, neste mês o escritor Tom Rubython (“A Vida de Ayrton Senna”) lançou a biografia do maior canalha que já frequentou os circuitos mundiais: James Hunt. A história do cara é daquelas, cheia de excessos de todos os tipos. Comparando toscamente com alguma estrela do rock, digamos que em termos de excentricidade ele se aproximaria de um Brian Wilson pós-1967, com o agravante que o beach boy sofria de problemas psiquiátricos, enquanto Hunt só gostava da farra mesmo.

 

Nos episódios mais emblemáticos de Shunt, trocadilho para ‘desvio’, o autor conta que Hunt certa vez levou 33 aeromoças par a cama numa orgia que durou duas semanas, dormiu com mais de 5 mil mulheres durante sua vida e ainda vendeu a esposa por US$ 1 milhão para o ator Richard Burton.

 

Quando esteve em Tóquio antes do GP do Japão de 1976, Hunt organizou a festa com as aeromoças, que costumavam passar a noite no mesmo hotel em que estava hospedado. Além de Hunt e das aeromoças, também participou o seu amigo Barry Sheene, campeão de motovelocidade naquele ano. A farra se prolongou até momentos antes da prova, e a orgia dava ‘voltas ao relógio’, turbinada com álcool, maconha e cocaína.

 

Logo antes da corrida, ele chegou a ser flagrado por Patrick Head, hoje co-proprietário da Williams, em uma cena íntima nos boxes da McLaren. Ao entrar por engano na garagem errada, Hunt foi visto com o macacão nos tornozelos junto com uma garota japonesa. E apenas reagiu com uma risada. Momentos depois, partiu para o seu ritual pré-corrida: saiu da garagem e foi vomitar.

 

Na volta para a Inglaterra, mais farra durante 12 horas de vôo fretado por Bernie Ecclestone. Hunt chegou bêbado ao aeroporto de Londres e se apoiou nos braços de sua mãe e de sua então namorada Jane Birbeck para saudar os fãs que o esperavam. Jane não sabia das inúmeras mulheres que ficaram com Hunt em Tóquio, mas já conhecia a história do piloto com a ex-mulher Suzy Miller. Ele se arrependeu depois de pedia a mão da moça em casamento, e fez da lua-de-mel uma despedida de solteiro.

 

Assim como Brian Wilson, por ser considerado vencedor e gênio, as pessoas perdoavam suas excentricidades, e como os bons morrem cedo, Hunt não resistiu a um ataque cardíaco em junho de 1993.



Escrito por Hate&Whisky às 14h37
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



 

“NÃO SE FAZ FUTEBOL COM BONS SENTIMENTOS”

Saudações terráqueos,

 

Finalmente essa porcaria de copa começou de verdade com a saída [mais que justa] da França. Ainda mais que foi de forma humilhante, tanto por ter ficado em último lugar no grupo A, quanto pela crise que se instalou na seleção galesa durante o tempo que permaneceu na competição. Uma seleção que já foi campeã do mundo em cima da seleção brasileira tem que ter muito talento para ser desclassificado na primeira fase duas vezes seguidas, e sem ganhar nenhum jogo. Pra completar a feiúra, Domenech perdeu mais ainda o espírito esportivo e se recusou a cumprimentar o Parreira. Tsc, tsc. Valeu bafanas!

 

Enquanto isso na sala de justiça, o Atlético Goiano segue sua sina de sofrimento. Me disseram dias atrás que esse time não vai pra frente enquanto estiver jogando série A com patrocínio da Super Bolla. Concordo plenamente.

 

Tirando o uniforme de time de série C, a diretoria teve a capacidade de completar o pacote “retorno à Série B” com o ex-técnico do Vila Nova Roberto Fernandes e a volta sob olhares tensos do Dida, Só quero ver como será a relação dele com os outros jogadores dessa vez. Para quem não se lembra, em 2007 o cara chegou mamado na concentração atleticana e trocou umas porradas com o Robston e o Marquinhos, sendo dispensado do Dragão por indisciplina.

 

Agora apareceram com o meia William, ex-Goiás mas que pertence ao Palmeiras e estava contundido. Dizem que o time está aproveitando o recesso para treinar duro. Mas o resultado desse trabalho e das contratações só saberemos depois da copa, quando o Dragão terá pela frente, logo de cara, Atlético Mineiro, Flamengo e Corinthians. Arre égua! Que Satã nos ajude novamente.

 

O concurso Musa do Brasileirão está com inscrições abertas. Em breve darei início às postagens das candidatas do Dragão e também daquelas de outros times que fazem a alegria da torcida.

 

msa

Alessandra Schmitz, musa colorada em 2008



Escrito por Hate&Whisky às 15h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



 
 

SÃO TANTAS EMOÇOES, BICHO...

Saudações terráqueos,

 

O final de semana foi cheio de clássicos e lances decisivos nos campeonatos estaduais. Sábado, o Atlético, que já tinha garantido a classificação, garantiu também a realização da partida de volta da fase semifinal em casa, e está a um passo de terminar o campeonato na liderança, pois joga em casa contra a Anapolina. Se ganhar da Anapolina e o Santa Helena perder ou empatar com o Vila Nova em na última rodada, o Dragão conquistará também a vantagem de jogar por dois empates na próxima fase.

 

Apesar de ter terminado a penúltima rodada em primeiro, quem ameaça a liderança atleticana na última rodada é o Santa Helena, que joga em casa com o Vila Nova. Mas os especuladores de plantão já dizem por aí que o Fantasma vai preferir entregar o jogo para o Tigre, prejudicando a classificação do Goiás, que joga na Serrinha contra o Crac, e costuma crescer nas fases decisivas.

 

De qualquer forma, a situação para a última rodada ficou assim: 4 times disputam as duas vagas restantes para a fase semifinal e mais 4 tentam desesperadamente fugir do rebaixamento em 2011. De qualquer forma, a Canedense já está rebaixada pelo saldo de gols, pois para fugir da segundona no ano que vem, precisa torcer pela derrota de Itumbiara e Trindade, e ainda vencer o Morrinhos pela incrível goleada de, no mínimo, 22 a 0!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

 

***************************************************************************

HARDCORE FUTEBOL CLUBE

Fora o Goianão, o Flamengo ganhou e se classificou, o Corinthians deu uma taca nos bambi, o Fluminense perdeu de 3 para o Vasco e o Palmeiras está comendo o pão que o diabo amassou no paulistão.

 

Tem também as feiúras do Ronaldo mandando o dedo pra galera, e o Adriano e o Vagner Love enrolados com o tráfico no Rio. Todos três jogaram bem ontem, e os dois últimos, que deram motivação para a torcida flamenguista criarem a expressão “Império do Amor”, fizeram os dois gols da vitória de ontem, sobre o América. Dias atrás eu disse que os jogadores hardcore estavam de volta. Em ano de Copa do Mundo, creio que isso seja a ponta do iceberg.

 

O mestre Nelson Rodrigues estaria escrevendo belos textos se ainda estivesse entre nós, mas cito aqui uma de suas pérolas que representa muito bem o momento em que vivemos no futebol brasileiro: Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons sentimentos”.

 

***************************************************************************

 

R.I.P.

armando

 

Falando em mestres, depois da brutalidade ocorrida com o Glauco, também perdemos hoje um dos maiores cronistas do futebol. Talvez fosse o maior. O cara realmente tinha classe, e deixa um legado incrível, onde decifrava com poesia as entrelinhas, nos revelando o drama que há por trás de um jogo de futebol. Fez escola, mas, com exceção de poucos, não tem nada a ver com os comentários insossos que somos obrigados a assistir ou ler hoje em dia, ao final de cada rodada. Com sua morte, com certeza chegamos ao fim de uma era.  

Da mesma estirpe de Nelson Rodrigues, de quem era amigo, Armando Nogueira escreveu um texto para lembrar os 25 anos da morte do anjo pornográfico. Um parágrafo desse texto resume sua visão singular sobre o que ocorre dentro dos estádios e a arte da crônica esportiva: “A meu juízo, o jornalismo esportivo se divide em três categorias profissionais: o repórter, que lida com informação; o comentarista, que se ocupa da análise dos fatos; e por fim, o cronista, que não tem maiores compromissos com a realidade”.

 

Show de bola. Com trocadilho, por favor.



Escrito por Hate&Whisky às 14h49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



 
 

FUTEBOL DE VERDADE

Saudações terráqueos,

 

Nesse final de semana as coisas começaram a ser definidas no Campeonato Goiano e, não sou a Mãe Dinah, a julgar pela última rodada, Vila Nova e Goiás devem morrer abraçados na penúltima rodada do segundo turno, e não se classificarão para as semifinais. Digo que não se classificarão porque o Goiás vai precisar ganhar para se classificar e o Vila Nova vai precisar ganhar para não ser rebaixado no estadual.

Enquanto isso o Atlético segue líder isolado, e dos cinco jogos restantes, dois são em casa, mas quem representa perigo mesmo para o Dragão é a Anapolina, que também deve se classificar para o quadrangular final.

 

Falando no Dragão, finalmente saiu a tabela de jogos do Brasileirão Série A, os boatos foram desmentidos e o nosso primeiro rival não vai ser o Flamengo, mas sim o Grêmio, no Serra Dourada, dia 8 de maio. Depois o time joga contra o Fluminense (Maracanã), Santos (Serra Dourada), Atlético Paranaense (Arena da Baixada) e Goiás, lógico no Serra Dourada, no primeiro clássico goiano na história em campeonatos de Série A, tendo o Dragão como mandante.

 

Já o Goiás estréia dia 9/5 contra o Guarani, no Brinco de Ouro, e o Vila Nova começa sua via crucis na Série B contra a Portuguesa, dia 7/5, no Canindé.

------------------------------------------------------------------------

História sem fim

 

Enquanto isso, na Sala de Justiça, ontem a Polícia Civil goiana indiciou o Raimundão Queiroz, ex-presidente do Goiás, por irregularidades cometidas no clube durante as duas gestões em que esteve à frente no comando do time da Serrinha. Ele e mais quatro pessoas são acusados de estelionato, formação de quadrilha, falsidade ideológica, crimes contra a ordem tributária, agiotagem e lavagem de dinheiro.

 

Raimundão, que hoje é diretor de futebol do Santa Cruz (PE), afirmou que está sofrendo perseguição política, e que o Goiás levantou a questão neste momento para encobrir a incompetência dos atuais dirigentes e a má-fase que vem atravessando nos campeonatos goiano e Copa do Brasil.

 

Quando essa crise veio à tona, em 2006, eu trabalhava com jornalismo esportivo e fazia a cobertura justamente do Goiás. Na época, fiz uma reportagem sobre a crise, e hoje vejo que, os motivos da crise tem raízes profundas, e os problemas que os clube enfrentava em 2006, são os mesmos de hoje: falta de dinheiro, má administração e ciumeira entre os jogadores, também conhecido como a panelinha do Harley.

 

A reportagem você pode ler aqui: http://doutorgori.zip.net/futebol/. Vá até o primeiro post, lá no pé da página e leia a matéria “Cai a máscara”.

------------------------------------------------------------------------

Imperador

 

Depois de termos sido obrigados a agüentar o bom mocismo forçado do Rogério Ceni e Kaká, eis de uns dois anos pra cá, o futebol brasileiro tem de volta seus jogadores hardcore. A “bola” da vez é o Adriano Imperador, que depois de aprontar na Itália, se entregando ao álcool após o falecimento do seu pai, encontrou a redenção nos seis meses que ficou por empréstimo no São Paulo, retornando à Itália para, em abril de 2009, simplesmente abandonar os treinos na Internazionale e retornar ao Brasil sem autorização. Do sumiço do jogador surgiu a notícia de que Adriano teria subido um morro carioca, sido seqüestrado e morto por traficantes. Quando reapareceu, o Imperador afirmou que ia abandonar a carreira [com duplo sentido, por favor], pois tinha perdido “a alegria de jogar futebol”.

 

Algumas meses depois da declaração, o craque retornou ao Flamengo, se tornou hexa campeão brasileiro ao lado de Petkovic e do mestre Andrade, foi artilheiro do campeonato ao lado de Diego Tardelli, e ainda se deu ao luxo de não comparecer à premiação da CBF, em mais um de seus famosos sumiços.

 

Então quando todos achavam que as peraltices auto-destrutivas do cara tinha cessado, após de um quebra-quebra com sua noiva num baile funk no Complexo do Alemão onde a mina detonou alguns carros, o cara andou perdendo alguns contratos com patrocinadores e está prestes a perder vaga na seleção que vai para a Copa da África. Mesmo assim o cara ainda se deu ao luxo de mais um sumiço e não embarcou para o jogo de hoje contra o Caracas, da Venezuela, pela segunda rodada da Taça Libertadores.

 

Se ainda fosse vivo, certamente Nelson Rodrigues estaria dando gargalhadas e escrevendo belas crônicas, porque como escreveu Ruy Castro em O anjo pornográfico, “o que interessa a Nelson Rodrigues no futebol nunca é o esporte em si. O estádio, os jogadores e a multidão não passam de um grande cenário, um pano de fundo para o que realmente representa, na visão do autor, uma partida de futebol: a metáfora da batalha vital de paixões e de tragédias que move a existência humana”.

 

Adriano, o Imperador, tem representado muito bem esse papel. 



Escrito por Hate&Whisky às 13h57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



 
 

MULHER, CERVEJA E FUTEBOL

foot

Olhando uma enquete no site Federação Goiana de Futebol sobre quem será o campeão goiano de 2010, fiquei intrigado com a liderança do Atlético, seguido pelo Goiás. Explico. Com o fim da primeira rodada do campeonato, que diga-se de passagem foi cheia de surpresas, inclusive a goleada do Vila Nova em cima do Crac, no fim das contas quem saiu lucrando foi a Anapolina, que terminou líder, e quem mais perdeu foi o Goiás (ha! ha!) que saiu da zona de classificação e deve amargar esse sobre e desce até o final do returno. Outro time que está com a pulga atrás da orelha é o Itumbiara que, de quase favorito, está na zona de rebaixamento e vem perdendo dentro e fora de casa.

 

Pela qualidade do futebol jogado até agora, pode-se dizer que só a partir de sábado, com o começo do returno, é que o Campeonato Goiano vai começar de verdade, e lá pela quinta rodada acho que vai dar para saber quem vai para a semifinal e quem vai cair. Detalhe: durante o primeiro turno, três times assumiram a liderança do campeonato, e o Crac, o Vila Nova e o Atlético permaneceram o tempo todo no G4.

 

E mesmo perdendo a liderança Vamos torcer para o Atlético ir bem na Copa do Brasil e ganhar o Goianão para chegar com moral na Série A. E vai precisar, porque se os boatos que rodam por ai se confirmarem, a estréia do Dragão vai ser justamente contra o Flamengo. Que Satã nos ajude!

 

********************************************************************************

 

Nas minhas andanças pela internet, eis que me deparo com o site Mulher, Cerveja & Futebol, uma loja virtual com coisas sem utilidade aparente, mas interessantes de verdade, como o pen drive de cerveja e a fábrica caseira de cerveja.

 

Tem um texto que explica filosoficamente a parada.

 

A nossa loja foi criada focada em atender a uma parcela específica da população: monstros de duas cabeças que preferem beber cerveja com sua mulher favorita durante um bom jogo de futebol a viajar para a Amazônia, acabar com a fome na África ou descobrir a cura da Aids.

 

Achamos que já estava na hora de exterminar com o histórico desprezo que nos têm sido imposto ao longo dos anos pelos gerentes de comércio eletrônico nacionais. Banners coloridos? Layouts em degradê? Promoções do Paulo Coelho? Trilogia de Crepúsculo? Frequentar um ambiente cercado por tais aberrações é emasculante, para dizer o mínimo.

 

Maior parte do nosso tempo ficamos procurando novos produtos para colocar em nosso acervo, chamado por alguns visitantes de “acervo online do Chuck Norris”. Respeitosamente discordamos. Charles Bronson nunca precisou levantar a perna acima da altura da cintura para fazer justiça com as próprias mãos. Isso sem falar que ele esteve no filme mais macho de todos os tempos: Sete homens e um destino.

 

Entra lá e dá uma sacada nos produtos, que tem até uns preços razoáveis, principalmente os porta copos feitos em couro de búfalos furiosos.

porta

 

http://mulhercervejafutebol.com/loja/

 



Escrito por Hate&Whisky às 17h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



 
 

CARTOLAGEM & ESTRELISMO

Saudações terráqueos,

 

Duas notícias de última hora sobre o futebol goiano.

 

Numa jogada totalmente canalha, os dirigentes de clubes pretendem prorrogar o mandato da diretoria da Federação Goiana de Futebol até 2014. A desculpa da possibilidade de Goiânia se tornar cidade-sede serve para perpetuar o laranja André Pitta, que entrou no lugar da múmia Wilson da Silveira. A jogada serve ainda para beneficiar os cofres dos clubes, que não respeitam os torcedores e cobram um absurdo no preço do ingresso para um campeonato e que dura apenas três meses.

 

O Atlético firmou ontem acordo com as construtoras que pretendem construir um shopping na área que hoje abriga o Antônio Accioly. Em troca, as construtoras construirão a Arena Atleticana no CT do Urias Magalhães e o clube ainda terá participação nos lucros do empreendimento em Campinas.  Para um time que tem a estrutura do Atlético hoje, e o espírito de série A, a boa notícia é que o acordo comercial levará o Dragão a um patamar profissional e financeiro que chega perto da estrutura do Goiás.

 

. * . * . * . * .

 

Hoje tem Itumbiara x Corinthians pela Copa do Brasil, no estádio JK em Itumbiara. De um lado temo Denílson, que não está jogando e agora bate-boca com torcedores. De outro, o Ronaldo Fenômeno, que prometeu finalmente entrar em campo com a camisa corintiana e classificar o time paulista para a próxima fase do campeonato, sem jogo de volta. Fico até imaginando o teor da conversa quando Ronaldo e Denílson se encontrarem dentro das quatro linhas logo mais:

Ronaldo: “- Porra, cara! Como é que você, que foi penta campeão junto comigo, veio parar num time do interior goiano e que ainda corre o risco de ser rebaixado no estadual?”

Denílson: “Pois é cara, tô catando a irmã do Zezé di Camargo e o Zé Gomes ainda me pagou 500 mil para jogar três meses. Tô com o bolso cheio e ainda tô morando perto da minha gata. E você finalmente resolver jogar?”

Ronaldo: “Então. O Corinthians finalmente conseguiu arrumar o restante dos patrocinadores para me bancar no time e agora que tá tudo acertado agora vou jogar. E o seu bate-boca com a torcida do Itumbiara no chocolate que vocês levaram do Atlético?”

Denílson: “Pois é, o povo aqui não respeita celebridades e ainda quer que a gente faça gols...”

 

É mais ou menos isso.

 

jamile

Jamile, musa do América-RN, que voltou à Série B no ano passado. Mas aqui no Blog do Dr.Gori ela será sempre Série A.



Escrito por Hate&Whisky às 18h04
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



 
 

DEU BRASA

Saudações Terráqueos,

 

O Dr.Gori passa correndo por esta galáxia para comentar o quanto os campeonatos estaduais de futebol estão sem graça. A exceção que comprova a regra é o campeonato carioca, em que o Mengão já está classificado com antecedência e o Vasco tomou do rabo mais uma vez: perdeu 6 pontos porque escalou jogador que não estava inscrito e não tem nem chances de disputar a Taça Guanabara. Num campeonato que há muito é meia-boca, as emoções ficam por conta do acontece fora dos gramados. Isso acontece todo ano, mas é igual àqueles filmes da Sessão da Tarde, tipo Curtindo a vida adoidado, que a gente nunca cansa de ver.

 

Enquanto escrevia estas palavras, recebo uma boa nova para a torcida atleticana. O [fraco] campeonato goiano, que estava mais para picolé de shoo-shoo [reforma ortográfica, hehehehe] dentro do campo e o grande assunto do campeonato é briga de torcida, tem agora a final confirmadíssima entre Goiás e Atlético com a chegada de PC Gusmão para comandar o dragão rubro-negro. O cara chegou com sede de título e já tem planos de levar o Atlético para a Série A no ano que vem.

 

PC já passou pelo Flamengo, Corinthians, Palmeiras e foi campeão estadual duas vezes pelo Cruzeiro. Além de levar o Itumbiara ao título de campeão goiano em 2008, o cara pretende levantar o caneco de novo com o Atlético em 2009. É bom lembrar também que o Goiás tem Hélio dos Anjos, e nos últimos quatro anos participou de quatro finais, mas perdeu as três últimas e também tem fome de título. O bicho deve pegar mesmo no quadrangular final, ainda mais se nas duas vagas restantes entrarem Crac e Vila Nova. Vai pegar fogo!

 

Punição mais rigorosa

 

Enquanto isso, na sala de justiça, continua a “polêmica” em torno das organizadas. Não sei até que ponto isso é bom/ruim para o torcedor ou bom/ruim para os clubes. Mas falemos a verdade: 1) organizada vai ao estádio e não assiste jogo, e 2) o Goiás perdeu o mando de campo duas vezes durante o Brasileirão do ano passado por causa dos exageros cometidos pela sua torcida. Vejo como uma solução viável o modelo adotado na Itália em 2007.

 

Vejam só: o comitê italiano intensificou a segurança nos estádios após a morte de um policial durante briga de torcidas do lado de fora do estádio, num jogo de primeira divisão. O campeonato foi suspenso temporariamente e alguns jogos foram realizados com os portões fechados ou sem a presença da torcida visitante. Outra solução é a perda de pontos ou o rebaixamento do clube para séries inferiores. Na Itália mesmo, o Juventus pegou uma punição de rebaixamento para a série B e começou o campeonato com menos 30 pontos.

 

O problema é que, se nos estaduais o bicho está pegando dentro e fora de campo, a tendência é que Copa do Brasil, Libertadores e os Brasileiros A, B, C e D sejam contaminados pela atual onda.

 

elaine Como estamos em clima de Carnaval, o pitel aí de cima se chama Elaine Azevedo, jornalista e madrinha da bateria da Estácio de Sá, e que pelos arranjos do destino, veio trabalhar ao meu lado na Assessoria de Comunicação. Vai ter sorte assim lá na Sapucaí!!

 



Escrito por giulianohash às 13h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



 
 

. *. * .

Saudações Terráqueos,

O calendário anual do futebol acaba nesse final de semana com a final do Mundial Interclubes. Manchester United x LDU. Sim, aquela LDU que tirou o doce da boca de Renato Gaúcho e companhia na final da Libertadores. Se brincar, tira o doce da boca do time de Wayne Rooney também.

Por falar em Renato Gaúcho, que ano triste foi 2008 para o rapaz! O cara ficou assoberbado quando desclassificou o São Paulo da competição sul-americana e concentrou todos os esforços do Fluminense na Libertadores, para depois "dar um passeio pelo Campeonato Brasileiro". Quase foi rebaixado. Quase não, foi! O cara teve a capacidade de sair do time das Laranjeiras e conseguir uma inédita vaga para o Vasco na Série B. Mas a vida ensina, e o tempo é rei.

Outros dois clubes que pagaram um micão no ano de 2008: Flamengo e Vila Nova. O time carioca porque, no meio do campeonato, quando estava na ponta de cima da tabela, preferiu deixar ir embora seus melhores jogadores e ficar com o técnico tabajara. Todo mundo sabe que Caio Júnior na hora H dá pra trás. Senão vejamos: pipocou com o Palmeiras no paulista de 2007, pipocou com o Goiás no goiano de 2008 e não teve peito para garantir sequer um vaga na Libertadores para o ano que vem no Flamengo. Resultado: foi dispensado do time antes mesmo da última rodada do campeonato.

Agora, pipocar mesmo é com o Vila Nova. O time ficou entre os cinco primeiros durante toda a Série B e na segunda colocação por 7 rodadas. Bastava ganhar dois jogos para garantir tão sonhada vaga na Série A. O Vila perdia mas os outros times também, e por isso o time foi se acomodando e permanecendo na segunda colocação. De repente, levou um fatal 2 a 0 do Paraná em pleno Serra Dourada. Não foi o bastante para acordar. Só acordou mesmo no momento em que rodou contra o Gama e o Barueri, Santo André e Avaí ganharam a segunda, terceira e quarta posições.

Alex Oliveira e Túlio Maravilha fizeram um mea culpa mas aí já era tarde. Resultado: o clube inteiro foi desmontado e pelas projeções até o momento, deve ficar fora da final do Goianão, pois Goiás e Atlético estão investindo pesado em jogadores de excelente nível. Se bem que o Verdão está querendo contratar o Túlio, que agora é vereador e não acredito que se empenhará em qualquer clube que esteja. Entre outras aberrações em termos de contratação para o ano que vem estão a de Ronaldo Fenômeno no Corinthians e de Marcelinho Carioca no Vasco. Mais: Washington no São Paulo, Adriano Imperador no Flamengo e Richarlyson no Fluminense.

A partir do dia 10 de janeiro as emoções começam novamente. Ah, o meu palpite para a final do Mundial Interclubes é que o Manchester leva esse título.

 

Musa do Ipatinga.

 

 



Escrito por giulianohash às 16h48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



. * . * .



Escrito por giulianohash às 09h18
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



A-TLÉ-TI-CO!

Saudações Rubro-Negras a toda

Nação Atleticana!



Escrito por giulianohash às 09h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



. * . * .

Tudo errado

 

Saudações terráqueos,

 

Poderia ter sido de outra forma. Poderia... mas não foi. E pelo jeito, também não será.

 

Louis Hamilton campeão na penúltima curva, o Goiás entregando alguns jogos e ganhando outros por dinheiro, o Vila Nova não subirá para a primeira divisão a não ser que aconteça um milagre, o Flamengo não será campeão brasileiro e corre o risco de também não ir à Libertadores, e ainda por cima os ‘bambis’ perigam levar o título. Só bebendo!

 

Por outro lado, faltando apenas 5 rodadas para terminar a Série C, o Dragão da Campininha, se conseguir mais duas vitórias, se sagrará campeão da Terceirona já na décima segunda rodada. E ainda com direito a comemorar o título em casa na última partida. Aí, só bebendo também, só que dessa vez para comemorar! A-TLÉ-TI-CO!

 



Escrito por giulianohash às 09h40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



RETA FINAL

Saudações Terráqueos,

 

Depois de um período complicado para os clubes brasileiros por causa da tal “janela” que mutilou muitas equipes, inclusive da série C, os jogadores voltaram a se concentrar nos campeonatos e os petrodólares do Oriente Médio, pelo menos por enquanto, significam apenas um projeto para depois de 7 de dezembro.

 

A volta à realidade dos jogadores trouxe a bela surpresa do desacreditado Santa Helena, que se sagrou campeão da segunda divisão do Goiano, e junto com a Aparecidense vai disputar junto com Goiás, Vila Nova, Itumbiara e Atlético o título estadual.

 

Espero que montem desde já excelentes times, porque pelo andar da carruagem, os clubes da capital devem vir com tudo, já que Vila e Atlético correm o risco de irem para as séries A e B respectivamente, e o Goiás, com a pulga atrás da orelha, finalmente terá um projeto de vencer um campeonato nacional. Vejamos.

 

Dos 16 clubes semifinalistas da série C, o Atlético é o único que participou do octagonal final do campeonato de 2007 e o time que tem a melhor campanha entre todos até agora. Esse favoritismo é dividido com Guarani, Ituiutaba, Brasil de Pelotas e Paysandu. Nessa fase o Dragão enfrenta o Duque da Caxias (RJ), Guaratinguetá (SP) e o Mixto (MT).

 

Na série B, o Vila Nova encontra-se numa quase confortável segunda colocação, tendo vencer 7 jogos nas 15 rodadas restantes para garantir sua vaga na elite do futebol brasileiro. Teoricamente, uma tarefa fácil, pois até a 30ª rodada o time terá como oponentes mais bem classificados Avaí e Juventude, respectivamente 4º e 9º na tabela.

 

Na série A, o Goiás consegue manter uma regularidade depois que Hélio dos Anjos reformulou um time apático e sem objetivo e, diferente dos treinadores anteriores, com a vantagem de quase não precisar contratar novos reforços. O cara provou que o que estava faltando no clube era liderança.

 

Flamengo x São Paulo

 

O Flamengo terá seu futuro definido no Campeonato Brasileiro ao enfrentar o São Paulo no Morumbi. Num jogo sem favoritos, e independente de ser no Maracanã ou no Morumbi, é certeza de um bom espetáculo. Os times são respectivamente 5º e 6º colocados, e apenas 1 ponto os separa na tabela.

 

Depois da vitória contra o Grêmio em Porto Alegre e da batalha contra o Figueirense semana passada, o Flamengo mostrou que está com outro espírito depois de ser desfalcado em quatro jogadores e ter o time praticamente desmontado entre julho e agosto, inclusive com o balanço do técnico Caio “Minino” Júnior que, se não fosse por uma manobra do canalha louco Kleber Leite, teria sido mais um a ir para o Qatar.

 

A verdade é que entre contratações como Vandinho, Marcelinho Paraíba e Fierro deram gás novo ao poder de fogo do Mengão, e junto com a base formada por Juan, Léo Moura, Ronaldo Angelim, Aitorn e o goleiro Bruno. O capitão Fábio Luciano já mandou avisar que o time continua na briga pelo título, e sentencia: “O Grêmio é o líder, mas ainda não pode ser colocado como o campeão. O campeonato pode ter outra equipe chegando bem no fim. É cedo ainda para isso, o Flamengo também está na briga”.

 

As flamenguistas que me perdoem, mas essa é Alessandra Pinho, uma das três finalistas coloradas a Musa do Brasileirão. Já ganhou!

 



Escrito por giulianohash às 17h01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



MOMENTO OLÍMPICO

Saudações Terráqueos,

 

Eu jurei pra mim mesmo que não ia escrever aqui sobre Olimpíadas, até mesmo porque o desempenho dos brasileiros em Pequim tem sido, no mínimo, esquecível. Chamá-los de “pipoqueiros” ou “cavalo paraguaio” é mais que justo. Judô, ginástica olímpica, natação, futebol masculino e feminino e vôlei de praia eram modalidades tidas como certeza de medalhas e mais medalhas.

 

Tirando as BMX, o fenômeno Michael Phelps e a surpresa do ouro de César Cielo, o melhor de tudo foi constatar que o Galvão Bueno é um tremendo de um pé-frio, a piada infame que “o Brasil foi à China para pegar um bronze”, o fiasco da equipe de ginástica, com direito a cair de bunda e tudo mais, o “sumiço da vara” da atleta Fabiana Murer [e as piadas do KibeLoco sobre tal acontecimento], o caso do cavalo dopado Chupa Chup e a seleção masculina de futebol perdendo a partida e a compostura num atropelo que resultou em 3 a 0 para a Argentina.

 

No exato momento em que terminava o parágrafo acima tive que dar uma pausa enquanto escrevia esse texto para ver a Maurren Maggi saltar 7,04 m e levar mais uma medalha de ouro. O bom da história dessa garota é o exemplo de superação. Ela ficou dos Jogos Olímpicos de Atenas por causa de uma suspeita de dopping que nunca foi confirmada. Veni, vidi, vici.

 

Maurren Maggi e o salto que lhe rendeu a medalha de ouro: superação

 

Então, outros dois momentos que eu consegui assistir na horrível transmissão da Globo, quase me fizeram ir às lágrimas. Também têm a ver com superação e gente que leva o que faz a sério. Duas coisas importantes e meio esquecidas num mundo cada vez mais dominado pelo sistema consumo-descarte-consumo.

 

O primeiro momento foi a quebra do recorde mundial do salto com vara. A russa Elena Isinbayeva não satisfeita após garantir a medalha de ouro ainda quebrou pela nona vez consecutiva seu próprio recorde dentro de um ano! O segundo momento foi ontem à noite quando a dupla masculina do vôlei de praia Ricardo e Emanuel garantiram o bronze. Após o término da partida, Emanuel deu uma entrevista emocionada ao repórter Bruno Laurence e soltou a seguinte frase: “É bom ser esportista. É muito bom ser esportista!”.

 

O cara tinha perdido a vaga da final, estava encerrando a sua carreira olímpica tendo que se contentar com uma medalha de bronze mas não se esqueceu do que fez ele chegar até ali. Sem salto alto, na humildade, e só. Se metade da delegação brasileira tivesse esse tipo de atitude em relação ao que fazem da vida, certamente nosso desempenho teria sido melhor.

 

Para encerrar a entrevista, o repórter lembrou do que o mestre Carlos Drummond de Andrade escreveu quando o Brasil foi eliminado pela Itália no fatídico 3x2 da Copa do Mundo de 1982: “Ganhar, perder, viver.”

 

Bonito.



Escrito por giulianohash às 11h13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



SÓ BEBENDO!

Saudações Terráqueos,

 

De alegria, digo que o primeiro turno das séries A e B estão chegando ao fim, a segunda fase da C já começou e a julgar pela rodada do último fim de semana, a impressão que fica é que os times goianos que estão nas séries A, B e C, permanecerão nas séries A, B e C. Isso porque o Goiás não cai, o Vila Nova não sobe e o Atlético, quiçá, terá pernas para disputar uma final na hora que o campeonato apertar de verdade. De alegria mesmo, só as goleadas de 4x0 do Goiás em cima da Portuguesa, outro 4x0 do Vila no Marília e o 4x1 do Dragão da Campininha pra cima do Itumbiara.

 

Na rodada do meio de semana, o Vila bateu o Barueri fora de casa, o Goiás deu de 2x1 no Flamengo e o Dragão também fez 2x1 em cima do Mixto. Pelo jeito, os times pegaram embalo mesmo.

 

De tristeza vou citar dois lances. O estouro do motor da Ferrari de Felipe Massa, depois de uma largada brilhante no GP da Hungria de Fórmula 1, a 3 voltas do final, e o jogo sofrível do Flamengo contra o Cruzeiro. Ta certo que o Mengão perdeu o rumo depois que o loucaço Kleber Leite resolver fazer grana com a venda de Marcinho, Renato Augusto e Souza, preferindo ficar com o técnico-que-não-ganha-nada, em detrimento de 3 goleadores de primeira. Tardelli, por sinal, além de não conseguir dar um passe certo, só chutou pra fora e ainda quase consegue uma fratura exposta no antebraço.

 

 

Depois que foi pego no escândalo no sítio do goleiro Bruno, e a mulher ameaçou dar uma bica nele, Tardelli nunca mais foi o mesmo. Engraçado que os outros envolvidos mantiveram a qualidade de seu futebol. O time até que deu conta de segurar a virada do Cruzeiro por 2x1 com um jogador a menos e pelo menos mostrou que contratou Vandinho corretamente. Um gol de cabeça daqueles é coisa de craque mesmo. Espero que o Kleber Leite não o negocie em mais um rompante de “brilhantismo” na gana de sanar os cofres vazios da Gávea.

 

De esperança, só resta esperar que o Flamengo seja derrotado pelo Goiás e o Caio Júnior caia [com trocadilho, por favor], e vá procurar o seu lugar, que é bom dizer, deve ser bem longe dos clubes brasileiros. E a CBF ainda proíbe a galera de beber em estádios. Quer dizer, se o seu time ganha, você não pode comemorar; se perde, não pode afogar as mágoas.

 

Só bebendo mesmo! Falando em futebol e bebida...

 

Recentemente todo mundo tem acompanhado os diversos “escândalos” envolvendo a galera do nobre esporte bretão na imprensa esportiva. Aliás, qualquer pessoa que fuja dos padrões de comportamento estabelecidos pela lei de consumo é logo taxado de rebelde e o showbizz dá uma dimensão gigantesca a atitudes corriqueiras de certos atletas. Mas quem gosta de acompanhar o futebol além das narrações chatíssimas de Galvão Bueno e Luís Roberto (clone do Galvão) sabe que a vida dos jogadores de futebol também é “árdua” fora dos campos. Tirando xaropes como Rogério Ceni e Kaká, o mundo do futebol é cheio de personagens que se gostam de se envolver em histórias pra lá de cabeludas.

 

Por falar em cabeludas, podemos citar o caso Ronaldo e os Travecos, uma baita queimação de filme que merece uma crônica somente sobre este assunto. Tem o Adriano, que enfiou a cara na pinga no exterior, participava de festas de arromba e era freqüentemente visto saindo mamado das boates italianas, e acabou vindo para o Brasil ficar perto da família para se recuperar. Tem o Maradona, um verdadeiro clássico dos escândalos fora das quatro linhas, que gostava tanto do pó que foi fazer um “tratamento” em Cuba para poder cheirar suas taturanas em paz, atirou em repórteres, engordou e voltou à boa forma, foi pego em dopping, fez gol de mão e ainda é amigo de Fidel Castro e Hugo Chávez. Tem o Garrincha, o clássico dos clássicos, que às vezes o treinador tinha que ir buscá-lo direto do puteiro para o campo de futebol, tinha um monte de mulher e deixou um punhado de filhos por aí, inclusive um na Suécia.

 

Mike Tyson e Maradona no lançamento do filme "Che", no festival de Cannes

 

Tem o Paulo César Caju, que ganhou tanta grana com futebol no final dos anos 70, enturmou com uma turma de tribalistas franceses, músicos e artistas de cinema, cheirou quase todo o pó da Europa e está aí, firme até hoje. Tem o Casagrande, fã de heavy metal, ídolo do Corinthians e comentarista da Globo, e amigo de longa data das drogas, rachou o carro num poste e hoje está em tratamento por dependência de heroína. Barra pesada. Vamos botar também nesta lista Romário e Edmundo, os bad boys cariocas, e talvez os últimos dos moicanos dos campos brasileiros.

 

 

Acima:Junior Marvin, Toquinho,? Abaixo:Jacob Miller, Chico Buarque, Paulo César Caju e Bob Marley

 

Numa espécie de série B a gente pode colocar pessoas que não mantém uma constância de notícias fora dos campos, mas que queimaram o filme com fatos isolados, como o Neto, ex-jogador do Corinthians e hoje comentarista da Band, que destruiu sua carreira com aquele lance de cuspir no juiz; Marco Antônio Feliciano, campeão do mundo em 1970, com toda sorte de vícios que você pode imaginar, inclusive uma peculiar coleção de óculos escuros, morreu só e pobre; o goleiro colombiano Higuita, que além de fazer defesas acrobáticas era envolvido com ninguém menos que o Cartel de Medelín de Pablo Escobar; o mala Marcelinho Carioca, que dava uma de bonzinho e depois se revelou um tremendo canalha pé de cana; o Viola, que uma vez foi flagrado com uma calibre 12 na porta do condomínio de luxo onde morava sua ex-mulher; Wayne Rooney, do Manchester United, que gosta de curtir uma farra fora das quatro linhas, regada a jogos de azar, bebidas e rock’n roll.

 

E teve até a história do Ricardo Teixeira ter chamado o Dunga para comandar a seleção brasileira porque precisava de alguém com autoridade para tal cargo, pois recentemente foi revelado o fato de que jogadores bêbados atrapalharam a seleção na Copa da Alemanha. Sem citar nomes, o presidente da CBF revelou que vários jogadores chegaram à concentração entre 4 e 6 horas da manhã completamente chapados. Com certeza nomes como Wagner Love, Robinho e Ronaldinho Gaúcho figuram nessa lista.

 

Falei aqui de casos mais recentes e alguns casos do passado que deixam a galera de queixo caído até hoje, mas a verdade é que muita gente fala sobre bebida e futebol, além de outros vícios, fato mais que corriqueiro, se você for analisar bem a história dos jogadores, e não dos clubes. Via de regra, esses caras que gostam da farra e do futebol, são verdadeiros gênios com uma bola nos pés, como o caso do próprio Garrincha, considerado por muitos, o melhor de todos.

 

A verdade é que grandes craques farreiam e são grandes craques do mesmo jeito.

 

Agora, um figuraça que merece menção honrosa no quesito futebol e bebida, foi aquele juiz da Bielorrúsia, o Serguéi Shmolik, que foi eleito o melhor árbitro do país na temporada passada. O cara foi para o vestiário na hora do intervalo e - segundo informações - tomou nada menos que 10 doses de vodca. E não queria sair do campo, não. Entrou para o segundo tempo como se não tivesse acontecido nada. Quando começou a balançar, disse que estava “com dor nas costas”. Êita nóis… essa dor nas costas deve ter dado uma ressaca danada…

 

Foi suspenso por tempo indeterminado. Mas a torcida gostou, o juiz saiu do campo sob calorosos aplausos.

 



Escrito por giulianohash às 17h17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



FLUMINENSE: AGORA É SÉRIE B

É por isso que eu digo, a torcida do Fluminense não é a torcida do Flamengo! Mas também não quero entrar em detalhes a respeito num assunto que não tem cabimento discutir. O lance agora é que o próximo jogo no Serra Dourada será Goiás x Fluminense, dois times em crise e na zona do rebaixamento. Um jogando em casa e tentando mostrar que agora é outro time, depois da chegada de Hélio dos Anjos e o outro precisando levantar a moral para descer do salto que o levou a perder a final da Libertadores em pleno Maracanã.

Outro ponto que achei estranho é que toda vez que um time brasileiro perde uma decisão internacional no Maracanã o fantasma de 1950 retorna à mente dos brasileiros através da imprensa esportiva. Quero ver se em 2014 der uma final Brasil x "qualquer time", e perder a final novamente. Nem quero pensar no que pode acontecer. Talvez o sofrimento seja tanto que o povo até esqueça do Carnaval no ano seguinte.

Para que não sabe a história do que se acostumou a chamar de "tragédia brasileira em mundiais", aqui vai uma versão história, daquelas bem românticas e que não deixam o fantasma de 1950 descansar em paz. A matéria foi escrita por Walter Ghizzoni Júnior, aluno do 6 período de jornalismo da Uniube. [http://www.revelacaoonline.uniube.br]. O texto do Wagner serve para mostrar o preço que se paga pelo “oba-oba” e já ganhou”.

 

Tristemente inesquecível

 

O dia era o 16 de julho. O local, o Maracanã, estádio construído especialmente para a disputa da Copa do Mundo. A previsão, uma festa para comemorar o primeiro título do Brasil em um Mundial. A realidade, a maior tragédia já registrada na história do futebol. A derrota para o Uruguai na final da Copa de 50 está gravada para sempre na memória dos brasileiros. Até quem não era vivo na época sabe o que representou aquele jogo.


Por causa da Segunda Guerra Mundial, a Copa do Mundo deixou de ser disputada entre 1938 e 1950. Em 1946, um ano depois de a Guerra acabar, a Fifa decidiu realizar a próxima Copa no Brasil, escolhido por querer sediar o evento e por não ter sofrido abalos com a Guerra.


Mais do que um campeonato de futebol, a Copa de 1950 foi um marco. O mundo se recuperava do colapso da Guerra. As pessoas procuravam encontrar um caminho após a destruição, e o futebol serviu como prova de que as coisas poderiam voltar ao normal.

O Maracanã foi construído especialmente para a realização da Copa. Na abertura, mais de 80 mil pessoas pagaram para ver o Brasil golear o México por 4 a 0, com dois gols de Ademir Menezes, um de Jair Rosa Pinto e outro de Baltazar. Era o começo de uma campanha brilhante no Brasil. Até chegar a Final, a Seleção ainda goleou a Suécia por 7 a 1 e a Espanha por 6x1.


A última partida não foi exatamente uma final, já que o regulamento previa um quadrangular decisivo. Mas, por coincidência, Uruguai e Brasil se enfrentaram na última rodada, e só os dois tinham condições de lutar pelo título. O Brasil jogava pelo empate. Nos dias que antecederam o jogo, já se festejava a conquista. Os próprios jogadores se deixaram levar pelo clima de "já ganhou" de dirigentes e torcedores. Um jornal carioca chegou a publicar, na véspera do jogo, a manchete "Estes são os campeões do Mundo', com a foto do escrete brasileiro.

Melhor para o Uruguai. O capitão Obdulio Varela comprou vários exemplares deste jornal e forrou o vestiário do time. Incentivou os jogadores a não aceitarem serem meros coadjuvantes. Mais de 170 mil pessoas presenciaram o jogo no Maracanã (fontes não oficiais afirmam ter sido mais de 200 mil). Em campo, o Brasil saiu na frente, gol do são-paulino Friaça no comecinho do segundo tempo. Calmamente, Varela pegou a bola no fundo das redes e caminhou lentamente até o meio campo, incentivando os companheiros, enquanto a arquibancada comemorava.


Aos 21 minutos, Schiafino empatou. O resultado ainda dava o título ao Brasil, mas o Maracanã se calou. Faltando dez minutos para o jogo acabar, Gighia recebeu uma bola nas costas de Bigode e, da entrada da área, ameaçou cruzar. Mas chutou direto, entre a trave e o goleiro Barbosa, que teria falhado e por isso foi eternamente crucificado.


Ao fim do jogo, os jogadores brasileiros se dirigiram chorando aos vesiários. Os torcedores continuaram sentados, sem saber o que fazer. Jules Rimet entregou a taça que leva seu nome ao capitão Varela, deu um aperto de mão e um "Parabéns"sem graça e saiu. Os uruguaios nem deram a volta olímpica. Se abraçaram e saíram. Não havia menor clima para festa. O Maracanã parecia um velório gigante.”



Escrito por giulianohash às 14h20
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]